Sábado, 22 de Fevereiro de 2020
Brasil - Mundo

Avião fretado com brasileiros deportados chega a Confins nesta noite

Este será o quarto voo com deportados a chegar no Brasil e, segundo a PF, tem 100 pessoas na lista de passageiros. O último avião também pousou em Confins, na última sexta (7).

Publicada em 14/02/20 às 13:39h - 136 visualizações

por G1 - Filó Notícias.Net


Compartilhe
   

Link da Notícia:

 (Foto: Reprodução)

Um voo fretado pelo governo norte-americano deve chegar a Confins na noite desta sexta-feira (14). A previsão é que o avião pouse por volta de 21h, trazendo uma nova leva de brasileiros deportados pelos Estados Unidos. De acordo com a Polícia Federal, há 100 pessoas na lista de passageiros.

Este é o quarto voo com deportados a chegar no Brasil. Na sexta-feira passada (7), outros 130 brasileiros que foram deportados pelos Estados Unidos chegaram a Confins. Um deles definiu como "muito sofrido" o tempo que ficou preso com a família. Ainda restavam 139 cidadãos do Brasil detidos sob custódia do Departamento de Imigração e Alfândega (ICE, na sigla em inglês) dos EUA.

Em outubro de 2019, chegou a Belo Horizonte um primeiro voo, com cerca de 70 pessoas. O desembarque marcou a retomada uma medida que não era aceita pelo Brasil desde 2006, quando o Itamaraty alterou a política de trato de brasileiros no exterior (entenda a mudança no final desta reportagem). O segundo voo aterrissou em janeiro deste ano com dezenas de brasileiros.

O governo do presidente Jair Bolsonaro tem facilitado a deportação de cidadãos que vivem irregularmente nos EUA, o que representa uma mudança em relação à política de governos anteriores.

Avião com brasileiros deportados dos EUA pousou na semana passada em Belo Horizonte

 

 

Brasil não aceitava voos fretados com deportados desde 2006

A decisão de não aceitar mais o fretamento de aviões veio em 2006 quando, depois de uma CPI que investigou as deportações de brasileiros, o Itamaraty alterou a política de trato de brasileiros no exterior, incluindo aqueles acusados de imigração ilegal.

Um diplomata ouvido pela Reuters explica que a decisão de não aceitar mais as deportações em massa veio da necessidade de analisar caso a caso e dar aos brasileiros que vivem nos Estados Unidos, mesmo ilegalmente, a possibilidade de reverter a decisão de deportação - o que muitas vezes acontece quando o cidadão tem filhos norte-americanos, uma estrutura familiar montada e às vezes até negócios.

Essa é a segunda medida tomada pelo governo brasileiro para facilitar a deportação, em concordância com pedidos do governo Trump. Como mostrou a Reuters em agosto, o governo emitiu um parecer autorizando a volta de brasileiros no país apenas com um atestado de nacionalidade.

Isso porque a lei brasileira proíbe a emissão de passaportes à revelia do cidadão, o que impedia o governo norte-americano de embarcar os deportados sem que eles se dispusessem a pedir um passaporte. No governo Temer, sob pressão dos EUA, foi feito um acordo para que os consulados emitissem o certificado em alguns casos, mas algumas empresas aéreas se recusavam a aceitar o documento até o parecer do governo brasileiro.

Os voos fretados, no entanto, eliminam também esse problema. Não há necessidade de documento para desembarque no Brasil.

O número de imigrantes brasileiros presos nos Estados Unidos tentando cruzar a fronteira pelo México aumentou mais de 10 vezes no último ano fiscal norte-americano (outubro de 2018 a setembro de 2019), chegando a 17.900, contra 1.500 no ano fiscal anterior. Em 2019, cerca de 850 mil pessoas de diversas nacionalidades foram presas tentando cruzar a fronteira dos EUA.




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (87) 9-9661-1561

Visitas: 7375391
Usuários Online: 245
Copyright (c) 2020 - Filó Notícias.Net - Filó Noticias.Net Conectando você ao Mundo das Informações.